False Positive combina o bom com o mau

Filmes que encaram o mistério da gravidez como algo místico, com consequências inesperadas, não são uma novidade no cinema de suspense e terror. Seja por culpa de experiências, sejam feitiços, sejam cultos, seja porque o anti-cristo está para vir, já tudo isso foi explorado, portanto, tudo o que seja agora lançado terá que trazer algo inovador. Um dos maiores casos de sucesso nesse sub-género é o de Rosemary’s Baby, lançado em 1968 e, ainda hoje, visto como um dos grandes clássicos do cinema. False Positive parece basear-se muito nessa obra – nomeadamente, no que diz respeito aos efeitos da gravidez na progenitora – dando-lhe uma roupagem mais moderna. É injusto comparar qualquer filme com um dos maiores clássicos da história do cinema, mas este filme parece estar a pedi-las.

Nesta trama, adaptada aos dias atuais, um casal enfrenta dificuldades para ter o seu 1º filho, mas, felizmente, Adrian (por Justin Theroux) conhece, dos seus tempos de estudante, o famoso Dr. Hindle (Pierce Brosnan) que é reconhecido como um dos maiores especialistas de fertilidade do mundo. E é assim que Lucy (Ilana Glazer) vai parar às mãos do doutor, que, como se nada fosse, descobre de imediato qual é o problema que está a impedir o casal de procriar e, em pouco dias, a boa nova chega: Lucy está grávida! Ou Lucy e Adrian estão grávidos, como este último faz questão de referir várias vezes.

Na consulta seguinte, Lucy recebe a notícia que o que está na ventre não se resume ao singular e, ainda por cima, é-lhe pedido que tome uma difícil decisão quase no imediato. A decisão é tomada e é a partir daqui que estranhas coisas começam a acontecer com a futura mamã: ouve e vê coisas que não (se) sabe se são reais, começa a sentir algo estranho dentro dela e tem sonhos bastante lúcidos e estranhos, questionando-se sobre tudo o que acontece à sua volta. E é por aqui que as comparações com outras obras do género fazem sentido, porque são estes acontecimentos e os seus efeitos em Lucy que carregam o filme, elevando o mistério sobre o que está realmente a acontecer. O papel de “limiar da sanidade mental” é bem executado por Ilana Glazer, que tem uma interpretação em crescendo, em simultâneo com o crescimento das suas dúvidas em relação a tudo o que a rodeia. Theroux cumpre no papel de Adrian e Pierce Brosnan parece divertir-se bastante no papel do reputado, mas também controverso, médico.

Não é, portanto, pelas interpretações que o filme falha em atingir patamares superiores. Será pelas questões técnicas? Nem por isso. Embora a maioria desses requisitos estejam no patamar de suficiência e não da excelência, há até direito a planos bem interessantes do realizador John Lee, que nos faz pensar que o potencial talvez esteja lá. É, no entanto, ao nível do argumento e, principalmente, na forma como esse elemento é transposto para o ecrã, que a obra se espalha. O filme procura um build-up para um chocante 3º acto e, até lá, vai-nos dando aqui ou ali algumas enigmáticas cenas que até aguçam o apetite, mas sabe a pouco. Pelo meio, ainda temos direito a um estranho monólogo que parece culpar os homens por tudo e mais alguma coisa, incluindo…a evolução nos cuidados médicos em partos?! Quando dei por mim, ao atingir a marca da uma hora de filme, dei por mim a pensar “ok, mas quando é que isto começa?” e isso não é um bom sinal. Ainda para mais, tendo exemplos do passado, de filme com temática similar, que construíram esse suspense na perfeição. Por fim, a execução do último acto é uma que dividirá opiniões e eu não serei um dos seus maiores defensores (se daqui a uns meses ainda me lembrar do que vi…).

False Positive não é um filme chocantemente mau, mas simplesmente não faz muito que mereça destaque, não se perdendo grande coisa se não for visto. O mistério é suficiente para sustentar a sua visualização, mas alterna, em igual medida, momentos que funcionam bem e momentos que funcionam mal. A história e a forma como a mesma é transposta para o ecrã têm um claro propósito de nos chocar, mas Rosemary’s Baby já executou a premissa de forma bem mais convincente há mais de 50 anos.


False Positive
False Positive

ANO: 2021

PAÍS: EUA

DURAÇÃO: 92 minutos

REALIZAÇÃO: John Lee

ELENCO: Ilana Glazer, Justin Theroux, Pierce Brosnan

+INFO: IMDb

False Positive

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *