ESPECIAL MOTELX: Um Family Dinner com falta de sal

Family Dinner é um terror austríaco que utiliza uma técnica comum em muitos filmes do género. Diz-nos antecipadamente qual será o dia do “grande evento” e vamos caminhando até lá, conforme a intriga e o suspense aumentam. Family Dinner comete um pecado capital para esse tipo de filmes: entrega-nos demasiada informação muito cedo tornando essa conclusão previsível até para os menos atentos. Era nesse final que eu depositava muitas esperanças depois de ter assistido a dois atos muito semelhantes entre si num tipo de filme que eu gosto de chamar de “slow burn sem burn”, pois, na verdade, há poucos elementos que permitam aumentar a ansiedade e a tensão até ao ato final.

Nem tudo são más notícias. Até certo ponto o filme resulta. Em certas áreas resulta muito bem. A história fala-nos de uma jovem acima do peso desejado que decide ir passar uns dias com a tia (que vive com o filho e com o companheiro), especialista e autora de livros acerca da perda de peso. Cedo percebemos que o que comemos terá um papel determinante em toda esta história – “somos aquilo que comemos” – e cedo percebemos também que a violência psicológica sofrida por Simi irá ser várias vezes abordada. Fácil também é perceber que algo de estranho se passa naquela casa e que algo ainda mais estranho está para acontecer. Até aqui tudo bem e, na verdade, o autor consegue mesmo dar-nos um primeiro ato bem sucedido, introduzindo-nos a toda esta história de forma misteriosa, com bons planos e uma interessante fotografia a acompanhar.

O problema é que perdemos demasiado tempo no mesmo sítio. O 2º ato não parece um 2º ato, pois o desenvolvimento é quase nulo, parecendo apenas uma enorme introdução com muito poucos acontecimentos dignos de registo. Depois quando o 3º ato começa somos introduzidos a algo novo, mas…sabemos exatamente onde o filme nos quer levar pois mostrou isso bem antes e até graficamente. E é aí que percebemos que o que temos sabe a pouco. De uma forma geral, Family Dinner tenta replicar de forma mais contida o que vimos em filmes como The Witch, Hereditary ou Midsommar. Há aqui inspiração de Eggers e Aster, sim. No entanto, esses autores mostraram saber fazê-lo de forma a manter-nos sempre interessados. Conseguiram também explicar-nos bem melhor o contexto e como ali chegamos, dando simultaneamente muito menos pistas acerca do seu desfecho, o que foi fundamental para o sucesso.

Em suma, uma boa atmosfera e uma história misteriosa chegam para nos entreter até à sua metade. Tem boas atuações e procura o comentário social, mas, infelizmente, é um daqueles slow burns que se esquece que deve ter algo para queimar e o desfecho não recompensa na totalidade tudo o que nele investimos.


Family Dinner
Family Dinner

ANO: 2022

PAÍS: Áustria

DURAÇÃO:

REALIZAÇÃO: Peter Hengl

ELENCO: Nina Katlein; Pia Hierzegger; Michael Pink; Alexander Sladek

+INFO: IMDb

Family Dinner

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *