Promising Young Woman merece muito mais que 5 estrelas

Uma história de amor, perdão, humor, Britney Spears: a receita perfeita para uma comédia romântica daquelas que nos fazem lembrar os anos 90, isto, caso o filme não fosse também envolto em suspense, vingança e um humor tão doce quanto o limão. A acidez da trama combina na perfeição com o tema do mesmo – abuso sexual. Escrito e realizado por Emerald Fennell, Promising Young Woman tem Carey Mulligan no papel principal.

Como falar de violação de uma forma tão “leve” que até nos dá vontade de rir? Sim, eu sei que parece surreal, mas acreditem em mim quando vos digo que não é, pois Fennell descobriu a receita perfeita para tal (tão perfeita que o filme teve várias nomeações para os Globos de Ouro e Óscares). Um elenco recheado de comediantes, diálogos embebidos em sarcasmo, ironia, humor ácido, uma trilha sonora “cool”, um figurino colorido, várias reviravoltas e um final catártico parecem-me ser a fusão ideal para tamanho feito. A trama segue a história de Cassandra Thomas ou Cassie que, marcada por um trauma, procura vingança, sem medir esforços para a alcançar. Assim, Cassie – interpretada por Mulligan – vai para bares e finge que está completamente embriagada dando a deixa perfeita para que os “heróis” do filme entrem em cena: os príncipes encantados que ajudam a donzela em perigo e a levam para casa… deles. E o resultado é sempre o mesmo, eles mostram a sua verdadeira face de “bons rapazes” e, de facto, são, – pelo menos aos olhos da nossa sociedade. Ela, por sua vez, é que «estava mesmo a pedi-las». Como se estivéssemos a descascar uma cebola, vamos descobrindo cada camada de Cassie e percebendo todos os seus porquês.

Depois de um encontro com alguém do seu passado, a nossa protagonista resolve ir atrás de todos os que ela considera responsáveis pela maior tragédia da sua vida e vingasse de cada um de uma forma tão graciosa e sórdida que, mesmo chocados, ficámos com um sorriso atrás da orelha. Se Gil Vicente ainda fosse vivo de certo que iria abraçar Emerald Fennell e elogiar o seu trabalho, uma argumentista extremamente corajosa e pertinente ao desmascarar, de forma satírica, a masculinidade tóxica e opressiva que circunda o nosso mundo, onde as mulheres devem dar-se ao respeito para não serem violadas porque os homens serão sempre homens – até os bons. Mostrando de forma clara as falhas da justiça quando se trata de casos de abuso sexual, Fennell não tem medo ou amarras mesmo que para isso tenha de criar cenários exagerados que, a meu ver, escancararam ainda mais o quão inacreditável certas situações são.

E o que dizer da interpretação de Carey Mulligan? Dizer que foi muito boa ou maravilhosa é pouco, muito pouco para o que ela conseguiu fazer, esta deverá ter sido a sua melhor interpretação até agora! As suas expressões faciais, o seu sorriso, o andar, a postura, tudo nela transpira potência e versatilidade. Ao mesmo tempo que é a vilã, também é a heroína e essa dualidade fazem dela a minha nova anti-heroína preferida. O thriller, cujo nome foi escolhido por causa de um caso que ocorreu nos Estados Unidos onde um aluno de uma universidade de Stanford foi acusado de violação e mesmo assim recebeu o título de “promising young man”, é um filme chocante, real e extremamente necessário.

Emerald Fennell faz a sua estreia enquanto realizadora neste filme e ela não poderia ter feito um melhor trabalho. Promising Young Woman pode não ter ganho todos os prémios, mas ganhou o meu coração e com toda a certeza irá ganhar o vosso! E, caso não acreditem em mim, façam aquilo que a sociedade faz em relação aos homens – deem o benefício da dúvida.


Promising Young Woman
Uma Miúda com Potencial

ANO: 2020

PAÍS: Reino Unido, EUA

DURAÇÃO: 1h53m

REALIZAÇÃO: Emerald Fennell

ELENCO: Carey Mulligan, Bo Burnham, Alison Brie

+INFO: IMDb

Promising Young Woman

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *