Saltburn pretende chocar e pouco mais

Promising Young Woman foi um belo filme de de 2020 e uma excelente estreia de Emerald Fennell. Sim, não foi um filme que automaticamente me encheu as medidas, mas sempre o apreciei e foi crescendo dentro de mim com o passar do tempo. Com Saltburn, Fennell foi ainda mais ambiciosa e, com isso, acabou por se espalhar ao comprido.

É difícil que alguém nascida e criada numa bolha consigar dar boas lições sobre essa bolha e sobre o que a rodeia. Sure, o facto de Fennell ser uma herdeira rica – o seu pai é um famoso criador de jóias – permite que ela consiga perceber algumas das dinâmicas desses círculos. No entanto, o facto de querer ter uma visão alargada sobre as suas dinâmicas com o mundo exterior e, pior ainda, do mundo exterior com esses círculos, não é por si só um garante de que saiba o que está a fazer.

Uma coisa que não posso tirar a Fennell é a sua coragem e ambição. Esta é uma obra que tenta muita coisa, seja do ponto de vista do comentário, seja da forma como o apresenta em cena. Na história, Saltburn é a propriedade – chamar casa àquilo é redutor – de uma família rica onde Oliver (Barry Keoghan) – um jovem de classes baixas – vai passar uns dias a convite do seu novo amigo, Felix (Jacob Elordi). Durante esses dias tudo o que possam imaginar irá acontecer. Drogas. Sexo. Fetiches. Álcool. Excentricidade. Manipulação. Desejo. Tudo e mais alguma coisa e tudo mostrado sem qualquer pudor, com pénis e rabos a saltar à nossa frente como se fossem pombos loucos por migalhas de pão. Eu gosto de filmes que me choquem. O que eu não gosto mesmo nada é quando esse parece ser o objetivo primordial, pois tudo parece falso, artificial e à espera de uma reação da audiência. É perfeito para a performativa geração TikTok. É perfeito para pequenos clips serem partilhados nessa rede social ou no Twitter (X, segundo o maluco de plantão). Não é perfeito para quem procure conteúdo profundo com algo para dizer. Quando chegamos à excelente cena final, já nada nos choca, já nada nos impacta e esse efeito letárgico é o pior que pode acontecer a um filme que quer chocar. 

Há coisas boas em Saltburn. Algumas cenas que pretendem chocar chocam mesmo. Alguns diálogos estão bem conseguidos. Os visuais são excelentes e Fennell parece ter subido um degrau no que diz respeito à forma como mexe a câmara e escolhe os melhores ângulos. Também os atores fazem todos eles um bom trabalho, com destaque para o excelente Barry Keoghan. Ainda assim, tudo se perde com alguma incapacidade que o filme demonstra em controlar os ritmos, tornando-se monótono sempre que não tem algo chocante para mostrar. Pior, no que diz respeito à mensagem passada é difícil entender o que se tenta fazer. Alertar os ricos para os perigos de se misturarem com os pobres? Dizer que todos somos uma merda, mas alguns uma merda mais polida do que outros? É, honestamente, confuso o que se quis aqui dizer ou fazer, para além de chocar o espetador. 

É Saltburn um mau filme? É difícil dizer. Eu diria que é um filme que desaponta, mas que pode resultar muito bem com um determinado público. No entanto, para a próxima preferia que Fennell se preocupasse mais com o que sente e com o que quer dizer do que como as pessoas vão reagir ao que apresenta. Saltburn é um filme muito bem interpretado e bastante ambicioso, que pretende chocar o espetador, quer através do seu comentário social, quer pela forma como o coloca em cena. Personagens a lamber o sémen do ralo de uma banheira, atos sexuais com mortos enterrados ou rabos e pénis à mostra por todo o lado fazem parte do menu. O efeito-choque perde-se um pouco por ser tão artificial e fabricado e pior ainda é o que faz com o confuso comentário social que parece mais um conto caucionário para os perigos que os ricos do mundo enfrentam quando misturados com as outras classes. 


Saltburn
Saltburn

ANO: 2023

PAÍS: Reino Unido

DURAÇÃO: 131 minutos

REALIZAÇÃO: Emerald Fennell

ELENCO: Barry Keoghan; Jacob Elordi; Rosamund Pike; Richard E. Grant; Alison Oliver; Archie Madekwe; Carey Mulligan

+INFO: IMDb

Saltburn

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *