The Mandalorian retorna bem, mas inferior a anos anteriores

The Mandalorian surgiu em 2019 como um necessário respiro para a saga Star Wars. As recentes obras vinham cansando o público e a crítica com ideias pouco inovadoras e muito presas ao passado, que se negavam a se desvencilhar da família Skywalker e suas intrigas intergaláticas. Foi então que a série protagonizada por Din Djarin, um Mandaloriano caçador de recompensas vivido pelo atual queridinho da internet e sonho molhado de pessoas do mundo todo, Pedro Pascal, chegou para lembrar que o potencial de Star Wars vai para anos luz além dos cavaleiros Jedi, Luke e companhia.

Com muita ação, aventura, e toda fofura do carismático Grogu, apelidado pela comunidade de fãs como Baby Yoda, The Mandalorian apresentou um primeiro ano de estrutura muito episódica, ou seja, com diferentes aventuras de arcos narrativos próprios para cada capítulo, que conquistou o público com sua inventividade e carisma. A série se destacou por explorar com êxito diferentes histórias, de diferentes personagens, em diferentes cantos da galáxia, pouco ou jamais explorados antes.

Em seu segundo ano, The Mandalorian elevou tudo a outro nível. Aventuras mais empolgantes, ação em maior escala, mais personagens interessantíssimas, criadas a partir de conceitos e visuais extremamente criativos, e muita emoção. Todavia, por mais nostálgica e divertida que tenha sido a conclusão da segunda temporada, foi inevitável se perguntar se a série seguia um bom caminho ao decidir se reaproximar de figuras e narrativas icônicas do passado. The Mandalorian se esqueceria da independência da saga Skywalker que tanto a fez bem, e se renderia à nostalgia fácil?

Felizmente, a resposta é não. Em seu terceiro ano, a série volta mais contida do que nunca, para o bem, e para o mal. 

Em relação à ação, The Mandalorian retorna maior, com grande destaque para explosivas cenas de combates aéreos, apresentando alguns dos melhores de toda a saga. Mas quanto à sua trama, diminui em escala. Focando-se na mitologia do povo mandaloriano e de sua terra natal, Mandalore, The Mandalorian apresenta um enredo, a princípio, muito pessoal de redenção de Din Djarin. E, ao longo da temporada, enquanto nos aprofundamos no lore dos mandalorianos e conhecemos melhor alguns dos integrantes do seu povo, fica claro que a redenção não é apenas o que o protagonista procura, mas sim praticamente todas as personagens que o cercam. A terceira temporada de The Mandalorian discute muitos assuntos referentes a isso, como segundas chances e novas esperanças. Din Djarin se arrisca ao adentrar em terras ditas tóxicas, no intuito de efetuar o único ritual capaz de recuperar sua honra para com seu povo. Bo-Katan (Katee Sackhoff) é influenciada por Din, e enxerga a possibilidade de se reconectar com os mandalorianos. O movimento de ambos para conquistar seus objetivos traz esperança para todo o povo do abandonado Planeta Mandalore, que vê a possibilidade de tomar seu lar de volta para si, e restabelecer sua dignidade e segurança.

E a temática não se faz exclusiva aos mandalorianos, estando presente em cada um dos episódios da temporada, sendo apresentada através da ótica de diversas personagens. Temos um ex chefe do crime que se tornou o líder da comunidade que oprimia, membros do antigo império, que receberam anistia e seguem tentando se encaixar em uma nova realidade, droids reprogramados de suas ofensivas funções originais, que almejam ressignificar sua existência e relação com às demais espécies, entre outras esferas narrativas.

The Mandalorian segue fazendo muito bem o que se propunha desde sua estreia em 2019: explorar o potencial do universo Star Wars em contar histórias repletas de diversidade temática, visual e emocional. Entretanto, o que falta na terceira temporada é o enorme senso de aventura presente nos anos anteriores. Aqui temos bastante ação, sim, mas ela gira em torno de situações muito semelhantes entre si, situadas em um não muito variado leque de ambientes da galáxia. The Mandalorian conta uma história interessante em sua terceira temporada, mas é inevitável que, com o passar dos episódios, sintamos estar vendo mais do mesmo.

Parte da culpa por essa falta de jornada aventuresca se dá a algumas pausas na ação ocorridas em alguns episódios. The Mandalorian opta, em certos momentos, abordar temas mais políticos e filosóficos. Sou um apreciador de arcos narrativos como o de Elia Kane, que envolve frustrações profissionais, opressão política e espionagem, e comentários sobre o existencialismo dos droids. Com isso em destaque, deixamos a ação um pouco de lado, mas damos lugar a discussões profundas que agregam muito valor ao universo de Din Djarin e Grogu. Porém, infelizmente, tais ideias não são bem aproveitadas, e acabam sendo deixadas subexploradas, o que faz das freadas narrativas insuficientes e frustrantes.

Quanto às personagens, The Mandalorian segue fazendo um trabalho exemplar. Din e Grogu continuam evoluindo organicamente sua relação, e ambos mantêm todo o carisma que sua relação de pai e filho proporciona. Din é o mercenário de bom coração de sempre, e sua principal jornada se encerra cedo aqui. Assim, o protagonista passa boa parte da temporada agindo como agente de ação e catalisador emocional para as demais personagens envolvidas na trama. Grogu ainda é a personificação do carisma e, por mais que perca um pouco do seu protagonismo no terceiro ano, se torna muito mais ativo quando envolvido em meio à ação.

Por outro lado, outra personagem se lança aos holofotes da série, e praticamente toma o protagonismo de The Mandalorian: Bo-Katan. Bo é dona do arco mais interessante e significante da temporada, está diretamente envolvida com os mais importantes momentos de ação, e é quem mais evolui no decorrer do terceiro ano. Assim sendo, é quem mais carrega a trama para a frente. Tamanho destaque da princesa Kryze, chega ao ponto de nos fazer questionar a quem realmente se refere o título The Mandalorian (O Mandaloriano, em português) neste momento da série. É estranho ver Din quase tomando a posição de coadjuvante, mas a jornada de Bo-Katan é tão engajante e bem construída, que seu protagonismo inesperado não pode ser considerado um problema, e sim uma inovação bem-vinda.

Há diversas tramas interessantes em The Mandalorian, de grandes eventos intergaláticos a jornadas menores e mais pessoais, que geralmente são bem apresentadas e desenvolvidas. Todavia, assim como o não aproveitamento do potencial das subtramas que ocorrem na temporada já citadas, é com pouca empolgação que falo da grande ameaça que surge das sombras da galáxia, e promete grandes emoções na jornada de Din Djarin. O ressurgimento de Moff Gideon é construído de maneira interessante, aos poucos, sem pressa, como um grande mal que ameaça voltar para acabar com a suposta paz dos protagonistas. Porém, quando o grande vilão se apresenta oficialmente e entra em ação, tudo é resolvido muito rapidamente. A grande sequência final de ação é muito empolgante e demonstra todo o poder dos mandalorianos em combate, mas Moff Gideon fica muito aquém da enorme ameaça que prometia.

Assim, a terceira temporada de The Mandalorian se encerra bem, mas, de certa forma, insuficiente. A ameaça de Moff Gideon se resolve de maneira quase anticlimática, e alguns subplots não brilham como deveriam. Todavia, tudo o que gira em torno das personagens principais funciona, e muito bem. Os mandalorianos, como povo, tem um destino recompensador, Bo-Katan evolui drasticamente, sendo dona do melhor núcleo narrativo da temporada, e a dupla Din Djarin e Grogu protagonizam um desfecho de aquecer o coração. The Mandalorian retorna inferior aos anos anteriores, mas continua uma produção de extrema qualidade, capaz de emocionar com suas carismáticas e bem desenvolvidas personagens.


The Mandalorian (Season 3)
O Mandaloriano (Temporada 3)

ANO: 2023

PAÍS: EUA

DURAÇÃO: 8 episódios

REALIZAÇÃO: Rick Famuyiwa, Rachel Morrison, Lee Isaac Chung, Carl Weathers, Peter Ramsey, Bryce Dallas Howard

ELENCO: Pedro Pascal, Katee Sackhoff, Giancarlo Esposito, Carl Weathers, Emily Swallow, Katy M. O'Brian

+INFO: IMDb

The Mandalorian (Season 3)

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *