The Mauritanian (ou Chapada de Luva Branca aos Polícias do Mundo)

The Mauritanian é um filme que é carregado pela história e compenetra pelas emoções que gera. Pura e simplesmente.

Isto foi obtido pelo desdobramento da informação por cada um dos três actos, focando-nos sempre no objectivo último que nos fora dado a nem 10 minutos do início do filme: a prisão de Mahmedou. Ora é a política, ora é o Governo, ora é a subversão da aplicação de justiça e seus meios, ora é a necessidade de querer vingança e retribuição que são abordados de forma equilibrada, tácita e explícita, mas sempre com a persistência chata de mostrar que entre imensas coisas moral e eticamente erradas, há aquela que é o fio condutor do filme.

O enredo é simples e real, o que são ingredientes para um bolo quase que adulteradamente bom por definição. Kevin Macdonald (que já nos mostrou o seu valor comprovado em The Last King of Scotland) demonstra que, ainda assim, pela sua mão, o bolo tem sabores inexplorados e entrega-nos este soufflé de umami revoltante, que mete vários dedos em várias feridas sem medo de chamar os bois pelos nomes, sustentando-se de forma segura pela realidade dos factos com que decidiu trabalhar, e são pesquisáveis por qualquer pessoa interessada no assunto.

As prestações dos co-protagonistas envolvidos nesta trama baseada em factos reais (livro O diário de Guantánamo) são apenas competentes, o que aqui não subtrai ao enredo. Até considero que aqui servem a história, mais do que servem aos seus participantes. 

O personagem principal protagonizado por Tahar Rahim (Un Prophète – deve ser a praia do actor, estas tramas de prisioneiros…) permite-se a explorar o personagem retratado (Mahmedou Ould Slahi) mas sem grandes exageros e com destacada competência, face à simplicidade do sujeito às adversidades que lhe são colocadas a nível moral, mental e físico.

Tendo visto outras propostas na mesma premissa de “a justiça injustiçou o(s) sujeito(s), algo tem de ser feito, isto está errado” tais como When They See Us e The Trial of The Chicago 7, o meu cepticismo e desapego emocional para com este filme foram a expectativa. Entrei na defensiva assim que entendi do que se tratava. Mentalizei-me de que tinha de ver isto por obrigação a escrever esta crítica, e é-me tirado o tapete dos pés umas duas vezes quando facilmente ultrapasso os apelos à lágrima que esta premissa e este filme não fugiram a tentar forçar. Fui bem surpreendido. Ainda há possibilidade de diferença em histórias deste género, e a diferença, claro está, é a história. A história faz o filme. Termino estes pensamentos como os comecei. Esta história merecia e mereceu ter sido contada. Agradeço a que mo tenham feito e pelo sabor do bolo dou 4 estrelas a The Mauritanian.


The Mauritanian
O Mauritano

ANO: 2021

PAÍS: EUA

DURAÇÃO: 129 min

REALIZAÇÃO: Kevin Macdonald

ELENCO: Tahar Rahim, Nouhe Hamady Bari, Saadna Hamoud

+INFO: IMDb

The Mauritanian

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *