The Sea Beast tem enorme potencial, mas decepciona

A Netflix é uma máquina de produção e distribuição de conteúdos originais. Há muito tempo, a líder do mercado de serviços de streaming vem apostando na quantidade do seu catálogo, o que resulta num grande número de produções que não ultrapassam a mediocridade. Mas, felizmente, quando o assunto são filmes animados, a história é outra. Desde filmes incríveis, como The Mitchells vs. The Machines, até os mais genéricos, como Over The Moon, uma coisa parece ser garantida nas animações da Netflix: diversão. E o filme da vez, The Sea Beast (A Fera do Mar), não fica atrás disso.

Desde o primeiro frame, The Sea Beast impressiona por sua qualidade técnica. O visual do filme é simplesmente deslumbrante! As texturas de elementos como cabelos, areia, roupas e madeira, são de um detalhamento riquíssimo, assim como os movimentos executados em cena, que são extremamente fluidos e naturais.

 

Tudo é lindo em The Sea Beast, mas o destaque certamente fica para a água presente no filme. O fotorrealismo é impressionante e, além de encher nossos olhos com a beleza do seu visual, transmite com precisão a magnitude do oceano, que pode ser igualmente ameaçador e hipnotizante.

Entretanto, não é apenas de visual que se faz um filme.

The Sea Beast tem como protagonistas Jacob Holland (Karl Urban), um experiente caçador de monstros marinhos, e a jovem órfã Maisie (Zaris-Angel Hator), aspirante a caçadora, que entra como penetra na tripulação de caçadores marinhos do lendário Captain Crow (Jared Haris).

O filme tem um início muito promissor. Ao apresentar simultaneamente dois núcleos de personagens principais, a obra instaura a dúvida sobre do que se trata a trama central do longa. E, assim que elas se encontram e suas narrativas se entrelaçam, o filme nos conquista com uma gama de personagens interessantes e carismáticos. Tais personagens apresentam morais dúbias e dilemas fortes e, por isso, carregam consigo a promessa de uma narrativa complexa e profunda.

Porém, infelizmente, tal promessa não se concretiza. Assim que mergulhamos de cabeça no segundo ato do filme, The Sea Beast nos leva por uma narrativa batida de “inofensivo e injustamente vilanizado antagonista”, e desperdiça a chance de inovar com um enredo que parece ser uma versão simplificada e não tão bem executada de How to Train Your Dragon (Como Treinar o Seu Dragão). Mas, ainda assim, o filme se mantém interessante e, apesar de perder um pouco a mão ao forçar demais o humor do protagonista masculino, conquista com sua fofura. Aliás, é um ponto muito positivo o fato de ambos os lados da fera que dá nome ao filme, o de besta assassina e o de criatura pacífica, se fazerem verossímeis e comporem com precisão a personagem, sem conveniências do argumento para mudar a perspectiva do público facilmente.

Então, The Sea Beast se mantém bem, apesar dos pesares, e se encaminha para um ato final cheio de ação, emoção e intrigas políticas complexas e… mais uma vez decepciona. Depois de escalar novamente as expectativas com a promessa de resoluções grandiosas e significativas, o filme vai de uma enorme cena de ação, seguida de uma revelação bombástica, para uma conclusão simplesmente rasa e estranhamente utópica.

Mas, ao final, mesmo com alguns contras, The Sea Beast entretém o suficiente para te deixar satisfeito ao final da sessão. O visual é lindo e o enredo fica aquém do seu verdadeiro potencial. Por isso, resta agora a esperança de que o filme faça sucesso, para que o universo criado aqui seja devidamente explorado em uma sequência digna das promessas antes não cumpridas.


The Sea Beast
A Fera do Mar

ANO: 2022

PAÍS: EUA

DURAÇÃO: 1h 55min

REALIZAÇÃO: Chris Williams

ELENCO: Karl Urban, Jared Harris, Dan Stevens, Marianne Jean-Baptiste, Zaris-Angel Hator

+INFO: IMDb

The Sea Beast

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *