“The Suicide Squad” é a surpresa do ano!

O covid ainda anda por aí, mas o fim da restrição das pipocas nos cinemas portugueses era o ingrediente que faltava para este filme ser a desculpa perfeita para regressar aos cinemas. E se ainda não te convenci, fica desse lado, porque até ao fim desta crítica, vais estar mortinho para meter os pés no cinema!

“The Suicide Squad” desamarra as cordas de um filme que lucrou bem nas bilheteiras, mas meteu os pés pelas mãos na crítica. Mas deixem-me contar-vos um segredo: Sou fã assumido do “Suicide Squad” original. Ou, como os meus gostos peculiares fazem questão de me relembrar, eu gosto daquilo que ninguém gosta! Mas não foi só o primeiro filme que levou com uma chuva de críticas exageradas. Afinal, este filme faz parte de um universo bastante criticado. Sim, porque neste momento DC é sinónimo de bagunça total. Mesmo assim, com tanto para correr mal, este filme foi a surpresa do ano! Fez-me rir como nenhuma comédia fez. Fez-me vibrar como nenhum filme de acção fez. Fez-me ter medo de “perder” personagens como nenhum outro slasher fez. E fez-me sentir emocionado com algumas histórias e finais, como nenhum outro drama fez. Tudo isto num filme divertido e incontornável ao estilo de James Gunn!

Para quem viu o filme de 2016, as apresentações estão feitas. Para quem não viu, este soft reboot explica tudo. A implacável Amanda Waller (Viola Davis) cria uma equipa de vilões para uma missão de alto risco, oferecendo uma redução de pena. E a missão é destruir o projecto Estrela-do-Mar, que caiu nas mãos de militares que acabaram de realizar um golpe de estado e controlam a ilha de Corto Maltese.

E antes de começar a crítica a sério, e as comparações com o primeiro filme, não posso deixar de referir o elenco fantástico. E não falo apenas de grandes nomes. Falo de actores que parecem ter sido escolhidos a dedo para interpretarem os seus personagens. Sejam os “novatos” que vieram para partir tudo como Idris Elba (Bloodsport), John Cena (Peacemaker), a nossa querida Daniela Melchior (Ratcatcher 2), David Dastmalchian (Polka Dot Man) e o inigualável Sylvester Stallone (King Shark). Sejam os também “novatos”, mas sem muita chance de desenvolvimento, como Sean Gunn (Weasel), Pete Davidson (Blackguard), Mayling Ng (Mongal), Flula Borg (Javelin), Nathan Fillion (TDK) e Michael Rooker (Savant). Sejam os “repetentes” Joel Kinnaman (Coronel Rick Flag), Margot Robbie (Harley Quinn) e Jai Courtney (Capitão Boomerang). E não posso deixar de referir também Alice Braga (Sol Soria) e Peter Capaldi (Thinker).

Este filme é o que acontece quando dão liberdade criativa total a James Gunn! Pelo menos, se não teve, não se notou. Mas quem tem poder para dar a uma vilã, uma história de origem completamente original, tem poder para tudo. E, não resisto a este spoiler, a vilã portuguesa é o grande destaque do filme!! A personagem amável e inocente, que parece estar sob os efeitos da melhor erva portuguesa, conquista o coração de tudo e todos. Mas não é o único destaque. A nossa vilã favorita (que agora perdeu o lugar para Ratcatcher 2), Harley Quinn, teve – finalmente – a sua tão falada emancipação. Sim, porque esta é, sem dúvida, a melhor Harley Quinn que já vimos nos cinemas. Caos, carisma e loucura. E digam adeus ao tom colorido do filme de 2016. Nesta versão a personagem é muito mais fiel à banda-desenhada. Outro destaque é que Viola Davis teve, finalmente, a oportunidade de mostrar que nasceu para o papel de Amanda. E mais não digo…

Outros destaques do filme que mistura na perfeição acção, comédia e carnificina, são a disputa de “macho alfa” entre Peacemaker e Bloodsport, e o alívio cómico de King Shark. Tudo isso na dose certa. Juntando isso com o espetáculo visual, a banda sonora, e o facto do esquadrão ser realmente suicida, e qualquer um deles poder morrer a qualquer altura, fazem deste filme a surpresa do ano. E leva as 5 estrelas para casa!

Depois de ter visto um dos meus filmes mais aguardados do ano e ter saído do cinema com um gosto agridoce, estava um pouco receoso em voltar para ver outro dos meus filmes mais aguardados. Ainda mais depois de saber que o vilão seria uma estrela-do-mar gigante vinda do espaço. Mas, a verdade é que saí completamente satisfeito. Com a pança cheia! E, acreditem, não foi só pelas pipocas…


The Suicide Squad
O Esquadrão Suicida

ANO: 2021

PAÍS: EUA, Canadá, Reino Unido

DURAÇÃO: 132 min.

REALIZAÇÃO: James Gunn

ELENCO: Margot Robbie, Idris Elba, Daniela Melchior, John Cena

+INFO: IMDb

The Suicide Squad

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *