Willy’s Wonderland (ou Nicolas Cage é pago para se divertir)

A primeira das duas estrelas que atribuo a este divertido monumento fecal vai para o incontornável Nicolas Cage. O filme tem uma rodagem de 88 minutos, onde cada segundo em que aparece não desilude. O artifício da sua personagem aqui era não falar. Não ter falas. Emitir sons, sim. Expressar ideias de forma facial ou gesticular, sim. Falar, não. E isso não teve mal nenhum. Serviu perfeitamente para o que quer que tenha sido o proposto servir. Cage foi pago para se divertir. Caso não tenha sido pago, divertiu-se e divertiu-me a mim que, felizmente me respeito e prezo o meu dinheiro, não paguei para ver isto.

Não esperava nada deste filme, portanto não me desapontei. Como tal, não tenho nada de mau a dizer. Apenas pensamentos soltos sobre o que assisti.

Foi bem filmado. Paleta de cores e estética geral consistentes e transversais ao tema do filme, momentos e emoções. Porreiro. Meia estrela aqui.

Representação medíocre, mas não censuro o elenco. Foi-lhes dada uma ideia divertida para trabalhar e foi isso que fizeram. Trabalharam. Foi uma tarefa. Para eles e para mim. Quando o que gostamos de fazer não mais é paixão e passa a tarefa, custa. Solidariedade aos envolvidos. Custou-me tanto a mim de ver como decerto tenho a esperança que lhes tenha custado de representar.

O enredo teve laivos de lógica bem coberta e estruturada, o que me fez sentir esperançoso de que tudo o que vi até tais momentos foi a realização a gozar com a minha cara numa partida rebuscada de “parece péssimo mas é incrível e tu foste apanhado a falar mal disto!” só que não. Foi antes lucidez selectiva provavelmente induzida pela ocasional figurada linha de coca snifada que faz despertar o utilizador de substâncias da dormência catatónica de imensos gramas de haxixe que repousam nos pulmões de todo o filme. Não odiei nem adorei que me fosse feito isto, mas senti algo mais que indiferença. Mais meia estrela aqui.

Não sou fã de filmes de terror, mas isso não me impede que reconheça o valor incontornável de grandes produções como The Exorcist, Se7en (sim, thriller de terror, lutem comigo se quiserem), como de pequenas obras, mas distintamente bem feitas como Rec (o espanhol) ou Paranormal Activity (o primeiro dos 23 da saga). Como tal estou na posição de afirmar que isto não deveria ser visto por ninguém que queira ver um filme que cumpra os serviços mínimos mas que enche as medidas ao fã de filmes de terror que queira ter algo dessa esfera para o acompanhar na TV enquanto lava a loiça.


Willy's Wonderland
Willy's Wonderland

ANO: 2021

PAÍS: EUA

DURAÇÃO: 88 minutos

REALIZAÇÃO: Kevin Lewis

ELENCO: Nicolas Cage, Emily Tosta, Beth Grant

+INFO: IMDb

Willy's Wonderland

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *